Eleições 2018 – 2° turno – Explica mas não justifica

Fui “bolsominion” convicto no 1° turno, assumo minha parcela de culpa, mas sempre me perguntei (senso crítico) se naquela figura, destemperada e impulsiva, predominavam valores arraigados na caserna ou sorvidos do covil político. Devo admitir que os vieses pátria, família e cristão me agradam, caso concretos.

Esperei o desenrolar dos acontecimentos para chegar a minha conclusão, a qual se concretizou diante da recusa do candidato Bolsonaro a participar dos debates presidenciáveis. Para mim faria diferença; por isso, esperei até o último momento, esperançoso na expedição de uma sensata ordem de última forma.

Está incutido no DNA do militar princípios básicos que exaltamos; tais como, respeitosamente, ao cantar o Hino Nacional, do âmago pronunciamos: “verás que um filho teu não foge à luta”.

Os militares tem um código de honra que prega a proibição de alvejar os paraquedistas enquanto descendo dos céus, por se tratar de um alvo fácil para o oponente desdobrado no terreno. Vejam, mesmo na guerra, se pratica a empatia e se venera a coragem, em notável sinal de respeito ao inimigo. Caro “guerreiro alado” Bolsonaro, faltou empatia e coragem (tenho certeza que se estivesse atrás ou parelho nas pesquisas, colocaria a mesma faca entre os dentes e partiria para a briga… porra “delicadinhos/as” do politicamente correto, tá no sentido figurado), faltou respeito ao eleitorado que gostaria de saber ou ver reforçadas as propostas de governo e faltou o brio de um verdadeiro soldado que nunca esmorece. Tenho a convicção que um soldado de fibra em seu lugar, tal como o General Villas Bôas – todos sabem de sua condição de saúde, não fugiria da raia. “Capita” sua recusa, cá entre nós: “explica mas não justifica” ou, ainda, os fins não justificam os meios, a menos que siga a mesma cartilha do PT.

Na linha torta, observei o candidato se valer de ardis, no mínimo oportunistas, para não correr riscos; tal como feito outrora pelo asqueroso Lula. Que péssimo exemplo, logo em quem, o “mito” se espelhou.

É playboy… perdeu meu mísero voto (voto nulo) que não fará a menor diferença, senão insistir no “be-a-bá”: o bom soldado não foge da luta, mas a vence com dignidade e honestidade. Exmo Sr. Jair Messias Bolsonaro a saúde é o seu bem capital e cuidar-se sua prerrogativa; porém meu voto de 2º turno (mais ponderado) clama por verdadeiros exemplos e valores éticos e morais. Infelizmente, V. Exa. destes mostras do habitual “jeitinho” safado dos nossos políticos; destarte democraticamente, pelo que tudo indica, serás nosso representante maior; o qual não preciso gostar, porém acreditar. 

Vamos em frente, dos males o significativamente menor, porém temos que ter senso crítico e ser vigilantes para não virarmos um PT com nova fachada, pintada de verde e amarelo, idolatrando personalidades, com valores frouxos e interesses escusos. De nada adianta apregoar moral de cueca. Baixando um pouco o nível, à lá Bolsonaro, sou capaz de ganhar ao apostar que, mesmo com a bolsa de colostomia, saiu uma “afogada no ganso”, mas se apresentar para debater o plano de governo… nadica de nada! Por (cagaço) omissão, sejamos galantes, JB o 2º turno foi um embate vergonhoso e carente de informações fidedignas. PT – Nunca Mais! 

 “Uns tem preço; outros, valores!”

Bolsonaro, brio, coragem, crítico, debate, dignidade, eleições, empatia, exemplo, explica, governo, honestidade, idolatria, justifica, plano, presidenciável, respeito, segundo, senso, soldado, turno, valores

Tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.
Mario Câmara

Sobre Mario Câmara

Lema: "Se não puder voar, corra. Se não puder correr, ande. Se não puder andar, rasteje, mas continue em frente de qualquer jeito." Martin Luther King Jr.

Deixe uma resposta