Dizer quem sou … soa meio estranho e sugestiona um auto afago no ego, melhor deixá-lo sossegado e sereno.
Mesmo porque, há um escorregão que julgo asqueroso quando vejo: “você sabe com quem está falando!?”

Justo por isto e para ficar bem longe disto, explica-se a forçação de barra no título desta página: “quem somos”?

Portanto, revelarei um segredo e uma convicção:

  • somos 1 (um) … universo em transformação; e
  • uma andorinha pode fazer verão, com certeza! Se formos em revoada, tanto melhor e mais rápido!

O senso crítico compele-me a escrever e armado do teclado sou soberano, liberto e independente nas próprias opiniões e posicionamentos. Prezo a transparência e autenticidade, estando sujeito, como todo ser humano, a erros e acertos nas percepções e colocações.
Assim sendo, registro aqui de forma inconteste e indelével: as opiniões expressas neste site são meramente pessoais e desprovidas de quaisquer interesses ou orquestrações escusas.


O site tem por finalidade apresentar provocações abrangendo os seguintes assuntos gerais:

  1. Liderança&Gestão: trata-se de uma ramo do conhecimento que me fascina e busco constantemente aprender e aprimorar;
  2. Tecnologia: o pulso ainda pulsa, ou seja, locupleto-me em continuar lidando com algumas nuances e apuros de Tecnologia da Informação e Comunicações (TIC), com um pendor para área de sistemas IoT (Internet das Coisas: WP-MQTT e WP REST API);
  3. Cidadania: espaço editorial para extravasar, desopilar e, de vez em quando, já que ninguém é de ferro, até xingar. Tem uns cabras da peste que fazem por merecer um efusivo palavrão; é claro, com todo respeito e “carinho”; e
  4.  Conversas: instigar pessoas de boa fé, servir de rastro para reencontrar companheiros de jornadas passadas e, sempre, seguir em frente.

Sou Mario Câmara:

  • soldado (“matbeliano”) do glorioso Exército Brasileiro que atuou na área de TIC por quase 30 anos;
  • engenheiro eletrônico do IME-97, bah … do tempo em que se “escovava” os bits do PIC16F84 em Assembler;
  • cidadão indignado com o atual cenário político-econômico mas, fazer o quê né, mantenho-me crédulo em milagres e na lógica invisível e intrínseca do povo brasileiro; e
  • vivente que procura estar em constante movimento e vibração; tendo por objetivo alcançar a angulação perfeita da vida: “morrer jovem, o mais tarde possível”.

Consonante com estas descrições a respeito de um poquito de mim, suscitou a necessidade de reportar pensamentos e percepções, tendo por temas: militarismo, disciplina, cidadão, inovação, conhecimento, maker, iot, política e desporto. Putz … que salada de fruta!

A origem do nome do site remonta de 13 Set 2002 e deveu-se ao entusiasmo juvenil com as possibilidades atinentes à tecnologia GPS. De lá pra cá, muitas efemérides satelitais rolaram e as utilidades dos receptores e navegadores GPS … hoje, são o que são.

 

“Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.”  – Eduardo Galeano